A força da mãe com a doença de um filho - Coisa de Mãe
24 jan 2011

A força da mãe com a doença de um filho

Post por Glauciana às 15:13 em Mãe e Filhos


Eu iria começar esse post com o título “A impotência de uma mãe perante a doença de um filho”, mas não, apaguei. Resolvi mudar, depois de ler mais um texto de uma amiga, jornalista das boas, mãe exemplar.

Trabalhamos juntas em uma editora em Bauru e guardamos um carinho até hoje, sete anos depois. Compartilhamos mutuamente, à distância, as nossas gestações e sempre nos mantivemos em contato, mesmo que por e-mail ou twitter. A última vez que a vi foi pouco antes do Natal e as notícias eram as melhores, de que sua menina estava bem e feliz.

Foi com muita surpresa e coração na mão que recebi, agora em janeiro, um e-mail com o endereço de um blog, no qual minha amiga conta, quase que diariamente, a luta de sua menininha contra um tumor no rim.

A menina doce, alegre, brincalhona e extrovertida agora tem de lidar com seus novos amigos médicos, pediatras, oncologistas e enfermeiros. Precisa aprender a conviver com a dor das agulhadas e injeções. Necessita ver sua beleza além dos cabelinhos que caem com a quimioterapia.

E nessa circunstância toda, me pergunto eu, meu Deus, como está o coração dessa mãe? Num primeiro momento, quando comecei a escrever estas linhas, logo pensei na impotência de nós, mães, diantes da doença de um filho. Porque, independentemente de nossos esforços, eles têm seus desafios nessa vida. Mas, em seguida, parei para refletir e não, é claro que não! Impotentes que nada.

E me lembrei de algumas ocasiões em que Eduardo mais esteve vulnerável e na força sobrenatural que brotou em mim. Primeiro, em seu nascimento, um mês antes do previsto. Seus três dias na UTI neonatal, sendo alimentado por sonda. Suas inúmeras picadas para colhimento de sangue, em todas as vezes eu tendo que segurar seu bracinho tão fino. A madrugada gelada em que ele teve de ficar, só de fralda, no bercinho de luz para combater a icterícia e eu oito horas em pé, ao seu lado, cantando e balançando o berço para ele se acalmar, ouvindo minha voz e sentindo minha presença.

Depois, quando teve de ser operado para retirada de três hérnias, com menos de dois meses. Me lembrei das três horas em que eu fiquei em pé no hospital, com ele no colo, ninando-o da volta da anestesia, depois de não dormir a noite anterior, com ele chorando de dor.

E, por último, de quando passamos uma semana internados com seu brônquio-espasmo, na dedicação extrema que eu tive com ele nesses 6 dias de hospital, desdobrando-me para tornar seus dias lá mais tranquilos.

Lembrando de tudo isso e vendo minha amiga lutar com tanta docilidade e esperança contra a doença de sua filha eu penso: “Impotência? Não, de jeito nenhum. Muito pelo contrário!”. A força e a ação que descobrimos ter com a doença de um filho é algo inexplicável. Não sei de onde sai tanta disposição, empenho e delicadeza para encarar esse momento tão doloroso.

E tenho plena convicção de que essa força é que move nossos filhos rumo à recuperação. Nosso amor e empenho é o que mostra a eles que estamos ali para o que der e vier. Que estamos ao lado deles, que eles podem contar conosco para qualquer situação. Que somos o seu lado protetor para quando – e sobretudo – eles mais precisarem.

Uma mãe, por seu filho doente, vai até a lua se necessário. Enfrenta as barreiras nunca antes imaginadas. Veste-se com as armaduras da guerra e tem sempre uma flor em punho. É quando deixa, numa dança ritmada, mostrar-se guerreira e fada ao mesmo tempo. É quando inventa as maiores estórias, tira da fantasia o lado lúdico para enfrentar os obstáculos. É quando deixa de ser ela pelo outro.

E nessa doação extrema é que vejo os sinais da recuperação. Vejo a vida se fazendo vida mais que sempre. Vejo a doença ficando para trás como plumas ao vento. Devagarinho, uma a uma, vão se espalhando. Amparados pelo amor em forma de mulher, nossos filhos vão se fortalecendo novamente, espelhando-se em nós para superar aquilo que antes lhes deixava ao chão. Em nós, mães, o feminino do amor, é que eles encontram o alento para levantarem suas cabecinhas e seguirem em frente.

*Imagem: We Heart It

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

6 comentários para "A força da mãe com a doença de um filho" | Adicione o seu »

  1. Graça amorim
    fev 29, 2012 @ 19:22 {Responder}

    Sou mãe de primeira viagem e me senti mais fortalecida depois de ter lido essa história de amor e superação, quando minha filha adoece, eu me transformo em super mãe, tiro forças que nem imaginava ter pra ficar a noites inteiras acordada…

  2. Adriana Andrade
    jun 02, 2012 @ 22:42 {Responder}

    Qual Mãe não passou por momentos tão dificeis ao ladoa de seus pequenos que estando doente parcem mais pequeninos e indefesos ainda. Passei por varias provações com os meus pequenos sempre começando pelo nascimento que das tres gravides os primeiros dois nascimento foram prematuros e sair da maternidade sem meus pequenos no braços parecia que meu coração era arrancado do peito. Mas sei que todas as ribulaçoes passadas com eles me torna todos os dia uma mulher realizada e feliz muito feliz pelo simples fato de ser MÂE.

  3. Adriely Brito
    abr 02, 2013 @ 11:49 {Responder}

    Nossa,chorei…lembrei de mim mesma como mão de 5 meses só…e de minha mãe,de tudo que ela já fez por mim..muito lindo o texto!Parabéns…

  4. Edina Margareth Ferreira Moraes
    jun 10, 2013 @ 19:28 {Responder}

    Me senti exatamente assim, como o relato deste texto, pois no ultimo dia 29 de maio de 2013, meu filho de sete anos de idade, foi acometido de uma complicação de varicela, teve dez convulsões, em suspeita de encefalopatia, ficou na UTI por dois dias, tivemos que leva lo com urgencia de avião para outra cidade onde havia vaga na uti pediátrica, não sabia que eu tinha tanta para aguentar todo o ocorrido, mais pela graça de Deus meu filho foi curado e sem nenhuma sequela, quando consegui falar com ele pela primeira vez sua voz estava tao fraca que tinha que colocar o ouvido perto de sua boquinha para entender o que dizia quando ele falou mamãe chorei dormindo, disse que Deus havia dito a ele assim Gabriel não se preocupe eu vou salvar você”, isso foi muito emocionante para mim.

    • jun 12, 2013 @ 00:27 {Responder}

      Edina, que bom que seu filho melhorou…muita saude pra ele…

      Minha primeira filha ficou internada com 7 meses, assim que voltei a trabalhar…foi meu primeiro dia das maes…e passei com ela no hospital..foram 4 dias…aquilo me abalou muito…quase pirei…foi horrivel mesmo!!!

      Agora tenho outra bb, de 1 mês e meio e fico pensando como será quando ela adoecer…nossa não gosto nem de pensar, que já sofro antecipadamente…mas Deus nos dá força para superar…na hora do sufoco, quem mais aguenta e se mantem firme. são as mães mesmo, seja lá de qual viagem for…

  5. Ana
    dez 06, 2013 @ 01:35 {Responder}

    Meu Deus, que post lindo. E verdadeiro, realmente quando precisamos, nao apenas em momentos de doenca, mas de perigo ou outros, vem uma forca que nao sabemos de onde e nos faz capaz de qualquer coisa por nossos filhos.

Deixe um comentário





  • * requerido
*